| Mobile| RSS

Ainda Somos Protestantes?






Avalio como de fundamental importância este debate, que por tempos trava um verdadeiro embate na mente de cristãos sóbrios e sedentos por uma vida cristã sadia, em conciliação com os ensinamentos de Cristo e com os princípios reformadores do protestantismo.

Ao brevemente estudar sobre o tema, inicialmente pode-se reparar que algumas colunas da grande Reforma Protestante, perderam-se na sombra do neopentecostalismo e sua teologia da prosperidade, ruindo com a estrutura originalmente revolucionária e enraizando bases teológicas se não errôneas, duvidosas.  A questão não esta no crer, mas no ser, ou seja, acreditar que os fundamentos da reforma são verdadeiros é uma coisa, ser um adepto dos conceitos reformadores é outra, viver e estar em movimento então é algo extremamente oposto, e particularmente este é o nível a ser atingido.

Não quero relacionar esta critica com uma idéia comportamental, não questiono “santidade”, mas ideologia. Reflito sobre fatores meramente conceituais, pois é pela renovação do entendimento que mudanças sociais acontecem, é quando não nos habituamos com a situação deste século. Em suma, critico a classificação religiosa que ainda insiste em denominar algumas  “igrejas” (entre aspas, pois me refiro a instituições e não pessoas) de hoje como protestantes, mas se são, protestam contra quem/o que? Qual é “cara” desse novo protestantismo? Se considerarmos os padrões da pregação de Lutero, Calvino, Wycliffe, Hus... Veremos que em nada se assemelha a essa “nova ordem religiosa”, a qual nomeamos Neopentecostal. Existe protestantes no século 21? Digo isso, não como individuo (leia Individual x Coletivo), mas como igreja, como instituição, pois é claro que somos fortes quando unidos e existem milhares de cristãos que, mantém a base do evangelho de Jesus Cristo, que resume-se em “Amar ao teu Deus acima de todas as coisas, e amar ao teu próximo como a ti mesmo”.

Enxergo pouquíssimos protestantes atuando na sociedade, enquanto a vertente capitalista cristã se expande, estamos estagnados e muita das vezes com receio de “bater de frente” com as anomalias do Cristianismo atual. Para fechar, basta-nos sabe que o evangelho de Jesus Cristo de Nazaré, nada tem haver com aquele pregado em algumas igrejas/seitas.  Caros, é simples de compreender, Jesus criticou o amor ao dinheiro, ao consumismo, a corrupção, a imoralidade, ao preconceito, ao poder, as aparências, ao individualismo, a vaidade, ao pecado (toda e qualquer ação que desmoralize o ser), e se vivesse hoje, criticaria o capitalismo como forma de exploração e instigação da competitividade desigual. Qualquer coisa no evangelho que não se resuma em amar ao próximo e a Deus é falcatrua e alienação. Protestantes?

A nomenclatura Protestante nasceu alguns anos após a Reforma, antes estes homens de Deus eram conhecidos como os Reformadores. A idéia era devido a postura diante da ordem papal, contrariando e contradizendo todos os dogmas na igreja (leia Sobre Lutero), mas hoje, estamos (sem generalizar), apáticos e acomodados, presos a inverdades e principalmente a nossas concupiscências vaidosas e materiais, preocupamo-nos com a estética das coisas, e negligenciamos a estrutura, por julgarmos a aparência muito mais importante do que o projeto, a base da construção.

Por essas e outras, questiono se diante de uma mutação ideológica tão significativa, se ainda há protestantismo em massa, no sentido pleno da palavra. Será que ainda somos os mesmos? Vai saber!

Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget

Postagens populares